Tudo sobre redes sociais para você sair na frente em 2019 | Verlindo

Tudo sobre redes sociais para você sair na frente em 2019

Tudo sobre redes sociais para você sair na frente em 2019

Image for Tudo sobre redes sociais para você sair na frente em 2019

Navegue nos assuntos

Se tem algo que está em constante evolução na comunicação são as redes sociais. Novas mídias, novas ferramentas e novos formatos surgem a cada ano, mudando o comportamento do usuário. E as empresas, que utilizam as redes para se relacionar com o consumidor, precisam ficar atentas a esses movimentos para elaborar estratégias que tragam o máximo de resultado possível.

Mas se a sua impressão é de que há muito para se atualizar, resumimos aqui um estudo feito pelo Hootsuite (plataforma de gerenciamento de mídias sociais) com as principais tendências das redes sociais para 2019 para você sair na frente e ficar por dentro do que vem por aí.

Foram entrevistados mais de 3 mil usuários da plataforma (pequenas, médias e grandes agências) para identificar como eles usaram esses canais em 2018 e quais estratégias pretendem manter esse ano.

O relatório levou a cinco elementos centrais:

  • Confiança nas redes sociais
  • Crescimentos dos Stories
  • Aumento da concorrência para anúncios
  • Social Commerce
  • Relacionamento com clientes por mensagens diretas

Recuperando a confiança

2018 foi, sem dúvida, um ano de crise para a imagem das redes sociais e dos influenciadores digitais. Vazamentos de dados, crescimento de perfis fakes e a utilização indiscriminada de chatbots (programa que simula interações humanas nas redes) são alguns dos elementos que abalaram a confiança do usuário.

Segundo o relatório Edelman’s 2018 Trust Barometer, 60% dos usuários não acreditam mais em redes sociais, e a confiança no Facebook caiu alarmantes 66%.

Para driblar esses números, as agências apostaram em conteúdo personalizado para conseguir maior engajamento. A ideia de usar as redes apenas como um canal de anúncios generalizados deu lugar a conteúdos específicos para a audiência das marcas, mais conectados com suas preferências, necessidades e expectativas.

O objetivo é ter uma conversa mais íntima, mais relevante e mais exclusiva com o público.

Isso acabou mudando a definição de engajamento, que deixou de ser apenas número de cliques, likes ou comentários para se tornar um comportamento que tem um impacto mais tangível no valor/imagem da marca e nos resultados a longo prazo.

 

A vida em pequenas histórias

Os Stories seguem crescendo em 2019 – mais precisamente 15 vezes mais rápidos que os outros formatos de posts – e pode se tornar a principal forma de compartilhamento de conteúdo nas redes sociais.

64% dos entrevistados incluíram Stories em suas estratégias de redes sociais e 4/5 das grandes marcas usam esse formato.

Não há como fugir dos stories, mas a boa notícia é que, como os conteúdos são temporários, há maior possibilidade de testes e experimentações.

Para começar a se aventurar, tenha algumas coisas em mente:

  • Conteúdos espontâneos e sem altas produções;
  • Investir em imagens de bastidores;
  • Usar todos os recursos disponíveis (sticks, gifs, fontes…);
  • Criar conteúdo específico para Stories;
  • Usar Stories do Facebook (a empresa vai começar a investir mais no formato).

 

A luta dos anúncios por espaço

Que o alcance orgânico segue caindo não é novidade pra ninguém. A questão é que o número de conteúdo pago cresceu, a concorrência está maior e o custo para promover posts vem aumentando. Como otimizar esse investimento?

As empresas estão focando em criatividade, qualidade e também promovendo postagens que tiverem melhor desempenho orgânico. O caminho é evitar o “clichê” de apenas oferecer o produto e buscar inspirar a audiência com campanhas integradas nas diversas redes e canais.

“Marcas que respeitam e engajam seus clientes como seres individuais e dão valor à sua audiência via conteúdo veem ROI real em anúncios de redes sociais.” Hootsuite Report /  Social Media Trends 2019

Social Commerce

Se o seu negócio é e-commerce, está na hora de começar a usar os recursos de vendas das redes sociais. Instagram, Facebook e Pinterest oferecem a possibilidade de compra sem sair do aplicativo ou plataforma.  Só o Facebook Marketplace é usado em 70 países e por mais de 800 milhões de pessoas.

Agora quer uma dica de ouro? Invista em vídeo para aumentar suas vendas. 74% dos usuários fizeram uma conexão entre assistir um vídeo de um produto e comprá-lo.

Relacionamento íntimo

Os usuários querem mais atenção das marcas e querem se relacionar com elas de forma exclusiva. Eles estão sim usando cada vez mais mensagens diretas para se comunicar com as marcas e negócios (WhatsApp, Facebook Messenger, WeChat, QQ e Skype).

 

69% dos consumidores dos EUA disseram que mensagens diretas os ajudam a confiar mais na marca.

Isso já vem levando as marcas a implementarem técnicas de marketing de conteúdo nas mensagens. Mas os clientes não querem ser importunados por mais um canal de anúncios, então aqui a criatividade tem que falar mais alto.

Um exemplo recente é o case do Hurb, antigo Hotel Urbano. Na Black Friday, a empresa lançou uma promoção de pacotes a 1 real. Para participar, era preciso se cadastrar para receber mensagens via WhatsApp.

Durante toda a sexta, foram enviadas mensagens de hora em hora com dicas para os contatos buscarem o pacote promocional no site, como uma caça ao tesouro.

Mas a estratégia não precisa ser tão “rebuscada”. Temos exemplos mais simples, como o Starbucks, que criou sticker para o Viber.

Já a H&M dá conselhos de moda pelo Kik chatbots e a Domino’s permite que seus clientes tenham acesso a cupons de desconto por Facebook Messenger bot.

 

Este ano vai exigir das marcas ainda mais conhecimento das redes sociais. E também mais entendimento do seu público para saber como se relacionar com eles por esses canais.

Para ler o estudo completo, é só fazer o download do material aqui

E ai? Está pronto para esse novo momento?

Para receber esse e outros conteúdos da Verlindo, se inscreva na nossa newsletter!

Newsletter

  • Este campo é para fins de validação e não deve ser alterado.